Dicas
Clique no título abaixo para ir direto para a dica
Alvenaria
Estrutura
Vidros Revestimentos em Azulejos e Cerâmicas
Revestimentos em Pedras Decorativas Esquadrias de Alumínio
Impermeabilização e vedações Instalação sanitáia
Limpeza das piscinas Louças
Metais Lâmpadas fluorescentes e compactas
A luz interfere na cor A cor e o espaço
Instalação Elétrica -
Alvenaria
projetos para evitar furos nas tubulações de água ou energia elétrica, ou ainda em pilares e vigas (mais difíceis de serem perfuradas)
• Não use pregos nem martelos na fixação de objetos ou quadros nas paredes e sim, furadeira e buchas com parafusos (KIT FISHER FU6, FU8, FU10 OU SIMILAR, indicado para fixação em paredes executadas em bloco cerâmico).
• Antes de perfurar paredes para a colocação de quadros, armários, prateleiras ou outros objetos, consulte as plantas do imóvel.
• Não execute demolição ou construção em alvenaria sem a prévia consulta à Construtora e ao Condomínio, independentemente de aprovação junto aos órgãos públicos competentes.
• Suportes para aparelhos de TV, vídeo, forno de microondas, entre outros, não devem ser instalados na parede de tijolo furado apenas com buchas, pois correm o risco de se desprenderem.
Estrutura
• Sua obra foi construída em concreto armado, não sendo possível a retirada total u parcial dos pilares, vigas ou lajes, nem submetê-los a sobrecarga não previstas no projeto original. Havendo dúvidas consulte o Engenheiro responsável.

• É normal por algum tempo aparecerem microfissuras nas paredes. Não se preocupe, isso acontece em decorrência da acomodação natural da obra ao terreno, ou devido a variações bruscas de temperatura.

Dicas sobre corte
• Verifique se o disco está corretamente colocado, conforme instruções do fabricante da máquina.

O sentido de rotação da máquina deve coincidir com o indicado pela seta do disco. Utilize sempre óculos de proteção e os equipamentos de proteção da máquina. Certifique-se de que irá utilizar o disco adequado ao material a ser cortado.

Cortando
• Não force, os discos diamantados cortam por si mesmos.
• Nunca corte em curva, exceto com os discos côncavos.
• Não use a lateral do disco para desbastar ou lixar.

Para aumentar o rendimento dos discos de corte:
• Os discos diamantados devem ser bem refrigerados, mesmo os de corte a seco, quando refrigerados, proporcionam um melhor rendimento.
• Quando os discos diamantados perdem o corte ou avançam com dificuldade, procure afia-lo, com rebolo de óxido de alumínio ou de carbureto de silício, eventualmente poderá ser utilizado um bloco de concreto ou cimentado comum.
• Para cortes longos e profundos, não ultrapasse 300mm linear por vez.
• A velocidade do avanço deve ser constante, sempre adequada à mínima do material a ser cortado.

Vidros

• Os vidros devem ser limpos com álcool ou produtos específicos e destinados a esse fim.
• Os vidros possuem espessura com a resistência prevista para seu uso natural.
• Evite batidas ou qualquer outro tipo de atrito.

Revestimentos em Azulejos e Cerâmicas
• Deve ser limpo com pano ou esponja macio, umedecido em sabão neutro ou produto específico para esse tipo de limpeza.
• Evite o uso de detergente agressivo, ácidos, soda cáustica, esponja de aço, assim como vassouras ou vassourinhas de piaçava, pois, além de atacar o esmalte das peças, retiram o rejuntamento, podendo ocasionar vazamentos e infiltrações; Faça revisão no rejuntamento, no mínimo a cada 6 meses; Evite furar o pisos dos banheiros, para evitar danos na impermeabilização.
• Durantes a limpeza tome cuidado com os encontros de paredes e tetos.
• Evite lavar azulejos e cerâmicas para sua melhor preservação. Quando necessário utilize produtos específicos (que dispensam a lavagem) para este tipo de limpeza.
Revestimentos em Pedras Decorativas

• Deve-se limpar as pedras decorativas, tipo ardósia, com pano umedecido em sabão neutro. Não utilize querosene ou produtos a base de petróleo para não danificar o verniz aplicado sobre a pedra.
• As pedras decorativas são envernizadas e demandam, necessariamente, uma manutenção periódica.

Esquadrias de Alumínio
• As esquadrias de alumínio não podem entrar em contato com o cimento, cal ou produtos ácidos, assim como não se devem usar esponjas de aço para sua limpeza.Isso deve ser feito com pano úmido e sabão neutro.
• As janelas foram projetadas para correr suavemente e não devem ser forçadas. As guia devem ser limpas e lubrificadas periodicamente com pequenas quantidades de vaselina líquida. Limpe os drenos existentes nas esquadrias para evitar o acúmulo de sujeira que impeça o escoamento da água, o que pode ocasionar eventuais infiltrações; Esquadrias de Madeira.
• Deve-se tomar cuidado com relação às batidas de portas. Além de causar trincas de madeira e na pintura, poderão causar danos aos revestimentos das paredes e danificar também a fechadura. Não aplique produtos abrasivos nas fechaduras e ferragens, utilize apenas uma flanela para a limpeza. Lubrifique periodicamente as dobradiças e fechaduras com pequena quantidade de grafite em pó. Isso manterá sempre perfeito o seu funcionamento. Nunca utilize óleos lubrificantes.
Portas e Janelas valorizam o conforto na casa
• Entrada de luz natural na residência e circulação de ar podem variar de acordo com o projeto.
• Assim que for concluida a alvenaria da residencia, é hora de assentar as portas e janelas (esquadrias). Ambas tem um papel importante para o conforto e estetica do imóvel.
• Sendo pelas as esquadrias que entram calor e luz solar, não esquecendo também da ventilação.
• Para cada tipo de dependencia é usada um tipo de porta e janela. Nos dormitórios deve-se usar as venezianas, para proteger da luminosidade quando for necessario, nos ambientes sociais as janelas geralmente são maiores.
• Existem no mercado brasileiro hoje, varios modelos, fabricados basicamente de seis tipos de materiais: madeira, aço, ferro, PVC, aluminio e vidro temperado.

• Deve-se seguir para as dimensões medidas minimas para as portas nos diversos ambientes da construção as Normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), por exemplo no banheiro a largura minima é de 60 cm, nos dormitórios é de 70 cm.
• As dimensões das janelas também seguem as Normas da ABNT, definida em função do ambiente, onde a área das janelas dos dormitórios devem ser no minimo igual a um sétimo (1/7) da área do ambiente (dormitório em questão).

Impermeabilização - Pisos de Madeira
• Avaliar a umidade do contra-piso antes do assentamento é imprescindível
• O controle de umidade e a impermeabilização do solo e do contra-piso de concreto são fundamentais. Antes do assentamento de pisos de madeira o contra-piso deverá ser avaliado, para verificar sua qualidade. O contra-piso deverá impedir a passagem de umidade do solo; pois é a umidade do solo o maior problema da qualidade de pisos após o assentamento.
• Portanto o contra-piso deverá ser impermeabilizado com produtos existentes no mercado, respeitando as especificações de cada produto, como método de aplicação, tempo de cura, etc.
R X
Impermeabilizações e vedações

• Pelas características técnicas específicas das impermeabilizações feitas nas obras, deve-se evitar alterações que possam influir nas condições de permeabilidades superfícies tratadas.
• Consulte sempre que necessário à empresa responsável pelos serviços ou o Engenheiro antes efetuar qualquer modificação ou instalação de algum equipamento nas áreas impermeabilizadas.
• No caso de apartamentos, se surgirem manchas de umidade no teto, solicite ao proprietário do apartamento superior para que faça uma verificação nos rejuntamentos dos pisos, ralos e peças.
• Ao instalar a divisória de Box nos banheiros, atente para que as mesmas não danifiquem a impermeabilização e a mureta de granito.
• Evite a limpeza nas áreas frias com ácidos ou soda cáustica. Pelo seu alto poder de corrosão, tendem a eliminar os rejuntamentos dos pisos e paredes e podem provocar infiltrações generalizadas.
Não utilize para limpeza, vassouras ou vassourinhas de piaçava. Isso também poderá remover os rejuntamentos.

Limpeza das piscinas
• As piscinas deverão ser tratadas de acordo com as recomendações de uso do fabricante. Recomenda-se contratação de firma especializada para a manutenção periódica do conjunto de bombas.
Instalação sanitária
• Além das prumadas coletoras principais existem os ralos secos e os ralos sifonados que impedem o vazamento da água e do refluxo de mau cheiro.
O ralo central nos banheiros serve a todos os equipamentos, exceto ao vaso sanitário, que possui sifão em sua própria estrutura.
• Todos os ralos possuem grelhas de proteção para evitar entupimentos decorrentes da queda de sujeira. Evite deixa-los sem essas grelhas e limpe-os constantemente.
• É importante proceder à limpeza periódica de todos os ralos e sifões de pias e lavatórios.
• Ao lavar louças e panelas evite jogar sobras de óleo, gorduras ou restos de alimentos na pia. Use a grelha de proteção que acompanha as cubas de aço inoxidável das pias das cozinhas.
• Não coloque louça suja em demasia dentro das cubas de aço inoxidável das pias de cozinha. Elas podem ser amassadas ou mesmo descolar com peso excessivo, apesar de resistente ao tampo de granito.
• No caso de entupimentos, não utilize arames ou objetos pontiagudos, pois estes podem furar o fundo do ralo.
• Caso não consiga resultado, tire o copo do sifão da pia ou lavatório e remova a sujeira localizada. Persistindo o problema, chame uma empresa especializada.
• Não utilize materiais à base de soda cáustica, arames ou ferramentas não apropriadas.
• Evite o uso excessivo de sabão nas máquinas de lavar (roupas e pratos), recomenda-se o uso de produtos biodegradáveis para evitar o retorno de espuma.
• Faça a limpeza regular do filtro da máquina de lavar para evitar a passagem de fios de tecidos para a tubulação.
Louças
• Não utilize qualquer aparelho sanitário como ponto de apoio, pois estes podem trincar e ocasionar ferimentos graves.
• Não jogue objetos, absorventes higiênicos, fraldas descartáveis, cotonetes, preservativos e grampos nos vasos sanitários, pois são causas freqüentes de entupimentos.
• Para a limpeza das louças sanitárias utilize a água, sabão e desinfetantes e nunca esponjas de aço.
Metais

• Não apertar as torneiras e registros além do necessário para evitar danos nas vedações internas.
• Evite batidas nos tubo flexíveis (rabicho) que alimentam os lavatórios e caixas de vasos sanitários, pois são peças sensíveis e as batidas podem ocasionar vazamentos.
• Proceda periodicamente a limpeza dos aeradores (bicos removíveis) das torneiras, uma vez que é comum o acúmulo de sujeira proveniente da própria tubulação.
• Os cromados dos metais sanitários devem ser limpos com água e sabão neutro e, eventualmente, com produto específico para dar brilho e lustro. Nunca utilize nenhum tipo de esponja de aço ou ferramenta para a limpeza.
• Os acabamentos dos registros podem ser trocados pelo mesmo ou por outro modelo, desde que seja do mesmo fabricante sem que haja necessidade de troca da base.
• Evite apoiar pesos nas torneiras e registros.

Lâmpadas fluorescentes e compactas:
1- O que São?
• Lâmpadas fluorescentes compactas, também chamadas de LFC, são lâmpadas fluorescentes de dimensões reduzidas destinadas à substituir as lâmpadas incandescentes comuns.

2- Quais as principais vantagens?

• Economia: Substituem as lâmpadas incandescentes com economia de até 75%. A tabela abaixo mostra alguns exemplos de LFC que podem ser usadas em lugar de incandescentes tradicionais.
Tabela Comparativa.
LFC Incandescente
15W 60W - 20W 75W - 24W 100W - 39W 150W



Maior vida mediana:

• Enquanto uma lâmpada incandescente tem uma vida mediana de 1.000 horas as LFC Triple Biax 15W 127V tem vida mediana de até 10.000 horas.
• A vida mediana é uma característica que varia de fabricante para fabricante e ainda de modelo para modelo.
• Flexibilidade: Com reator eletrônico e base de rosca diretamente incorporado na lâmpada, permitem substituir as incandescentes sem necessidade de adaptação.
• Segurança: As LFC Triple Biax com base de rosca, tem incorporado um fusível de proteção “SAF-T-FUSE” que protege sua instalação em caso de sobrecorrente provocada pela lâmpada.

3- Porque ocorreu uma explosão de marcas e modelos?
• A partir da crise energética anunciada pelo governo, do risco de apagões e da necessidade do consumo de energia, a lâmpada fluorescente compacta foi uma das alternativas mais eficientes e baratas para ajudar o consumidor a atingir suas metas de redução. Esta situação estimulou o aparecimento no mercado de dezenas de modelos de “segunda linha” cujo desemprego e vida não correspondem ao declarado pelos fabricantes e/ou importadores.

4- As lâmpadas fluorescentes compactas possuem elevado consumo no momento do acendimento?
• O aumento no consumo destas lâmpadas durante o acendimento é muito pequeno, pois apesar da corrente na partida ser maior do que a corrente normal, o tempo para estabilização é muito rápido, além de consumir muito menos que as incandescentes.

4.1-A vida da lâmpada é afetada pelo número de acendimentos?

• A vida de uma lâmpada de descarga (Fluorescente linear, Compacta, Vapor Mercúrio, Vapor Metálico, etc.) é influenciada pelo número de horas de uso ou pela freqüência de acendimento.
• As lâmpadas fluorescentes têm sua vida mediana obtida através de testes com ciclo de acendimento de 2 horas e 45 minutos energizadas por 15 minutos desenergizada, repetidos 24 horas por dia.
• Ciclos menores reduzem a vida da lâmpada, enquanto ciclos maiores aumentam a vida da lâmpada.
• A tabela abaixo mostra como a vida mediana das lâmpadas fluorescentes se comporta em relação ad ciclo de acendimento.
Ciclo de Chaveamento (mins) Vida (%)
180 100
60 70
45 50
5 20
Sendo assim, a relação entre custo e benefício poda ser impraticável no uso destas lâmpadas com uso minuterias, sensores de presença, ou qualquer outro equipamento que cause redução no ciclo de acendimento.
4.2- As lâmpadas fluorescentes compactas de 220V podem operar normalmente em 127V?
Lâmpadas fluorescentes compactas de 220V quando ligadas em 127V, apresentam problemas na partida, fluxo luminoso baixo, vida mediana comprometida, etc,
Em outra situação lâmpadas de 127V ligadas em redes de 220V apresentarão queima imediata.

A luz interfere na cor

• Ambientes iluminados com luz artificial apresentam cores menos fiéis do que quando iluminados com luz natural.
• Mesmo com luz natural, as tonalidades variam conforme a hora e as condições do tempo. Geralmente, as lâmpadas incandescentes reproduzem melhores as cores quentes, enquanto as luzes fluorescentes ressaltam as frias. Por exemplo, a cor vermelha (quente) apresenta tonalidade marrom se estiver sob uma luz fluorescente.
• Para clarear ambientes pequenos e poucos iluminados, recomenda-se a utilização de cores claras com tendência para o amarelo.
• Você sabia que toda lâmpada tem uma capacidade de reprodução de cor? ; Essa capacidade é medida pelo Índice de Reprodução de Cor (IRC), que varia de 0 a 100. Quanto mais alto o IRC, maior a fidelidade da lâmpada em reproduzir as cores.
• Geralmente o IRC aparece no corpo das lâmpadas em forma de código e varia de acordo com o fabricante. Para saber o valor do IRC é preciso solicitar um folheto técnico ao fabricante.

A cor e o espaço
• A cor altera a percepção de distancia, volume e peso. Uma parede escura parece mais próxima.
Um objeto branco parece maior. As cores escuras, ao contrário diminuem o volume.
• As combinações de tons servem para criar efeitos, como diminuir um ambiente para torna-lo mais aconchegante ou “ampliar” espaços apertados.
• Pode-se aumentar visualmente um ambiente com tons neutros ou amarelos bem clarinhos nas paredes.
• É possível “rebaixar” um teto muito alto com um tom mais escuro que o das paredes.

• Para “elevar” o teto, basta pinta-lo numa cor mais clara. Para dar a sensação de que um corredor é mais largo, é só pintar o teto numa cor mais escura que a das paredes.
• Cores quentes deixam o ambiente mais aconchegante.

• A cor é luz, energia.
• Traz em sua substância o poder de renovar, embelezar, gerar bem-estar. Não é por outro motivo que a escolha das cores reflete sempre um estilo de vida.

Instalação Elétrica
• Cada unidade de uma obra possui um quadro de distribuição de circuitos onde estão localizados os que os que protegem todos os circuitos do imóvel. Este quadro é projetado e executado dentro das normas de segurança e não pode ter suas chaves alteradas por outras de capacidade diferente.Em caso de sobrecarga momentânea o disjuntor do circuito atingido se desligará automaticamente. Basta religá-lo. Se tornar a se desligar, significa que há sobrecarga contínua ou que algum aparelho está em curto. Neste caso, solicite os serviços de um profissional habilitado.

• Não aceite sugestões de curiosos.
• Sempre que for executar manutenção, limpeza, reaperto nas instalações elétricas ou simples troca de lâmpada, desligue o disjuntor correspondente ao circuito.
• Recomenda-se evitar furações próximas ao quadro de distribuição.
• As instalações de chuveiros, aquecedor, lustres ou similares deverão se executadas por técnico habilitado, observando-se em especial, aterramento, voltagem, bitola, qualidade dos fios, isolamento, tomadas e “plugs” a serem empregados na instalação dos equipamentos. Antes de adquirir aparelhos elétricos verifique se o local destinado é provido de instalação elétrica adequada para funcionar nas condições especificadas pelo fabricante.
• Verifique se a carga elétrica exigida pelo aparelho não sobrecarregará a capacidade da tomada da instalação (fiação do disjuntor).
• Evite a utilização de “benjamins” (dispositivo com que se ligam vários aparelhos a uma só tomada), pois podem provocar sobrecargas.
• Os projetos das instalações foram dimensionados para a capacitar o imóvel ao uso dos aparelhos já instalados e daqueles comumente usados em residências.
• Quando da instalação de armários próximos às tomadas, é comum que o marceneiro recorte os armários para aproveitar estas tomadas, fixando-a no próprio corpo do armário. Fique atento para que o isolamento e fio utilizado sejam compatíveis.